LEIA TAMBÉM

Deputados, secretários de saúde e representantes do governo federal afirmaram que, além de garantir a transparência na aplicação dos recursos, é preciso que a população consiga compreender facilmente essas informações. O tema foi discutido nesta segunda-feira (3) em reunião virtual organizada pela Secretaria de Transparência da Câmara dos Deputados.

O secretário da Transparência, deputado Roberto de Lucena (Pode-SP), destacou que a sociedade está cada vez mais atenta à aplicação das verbas públicas e que os dados têm de estar claros para qualquer pessoa.

“Lutamos para que haja ferramentas mais objetivas, pelas quais o cidadão possa transitar com mais facilidade. Que as informações sejam colocadas lá de maneira catalogada e organizada para facilitar esse acesso”, comentou. “Não adianta fazer prestações de contas que exijam conhecimento técnico prévio.”

O subsecretário de Orçamento e Planejamento do Ministério da Saúde, Arionaldo Rosendo, concordou que cada vez mais os gestores precisam se empenhar em assegurar transparência de maneira clara.

continua depois da publicidade

continue lendo

“É um desafio bastante interessante trabalhar com uma linguagem essencialmente técnica no dia a dia e ter de produzir informações compreensíveis à população em todos os níveis”, declarou.

O diretor-executivo do Fundo Nacional de Saúde, Dárcio Guedes Júnior, foi outro debatedor a destacar que a transparência tem de gerar informações que sejam entendidas pelo grande público.

“Nosso portal disponibiliza funcionalidades que ajudam o cidadão a ter acesso com antecedência sobre a destinação dos recursos”, exemplificou.

Ranking
Líder no ranking de transparência nos gastos de Saúde durante a pandemia, o Espírito Santo obteve nota máxima na avaliação de junho da ONG Transparência Internacional Brasil. O secretário de Saúde do estado, Nésico Medeiros Júnior, apontou que, desde a década de 1990, tem sido feito um trabalho para que os recursos sejam usados da melhor forma possível e de acordo com a necessidade da população.

Por sua vez, o secretário de Saúde do Amapá, Juan Mendes Silva, destacou que o empenho na melhoria da governança fez com que o estado, que teve uma das maiores taxas de contaminação por Covid 19, também tivesse um dos menores índices de mortalidade até o momento.